CNC projeta retração no volume de vendas do Dia das Mães - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

CNC projeta retração no volume de vendas do Dia das Mães

Pressionada pela inflação de oferta, cesta de bens e serviços mais demandados na data acusa a maior alta da série histórica

O Dia das Mães de 2022 deve ser mais fraco para o varejo na comparação com o ano passado.

Segundo estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o volume de vendas do comércio varejista voltado para a data deverá atingir R$ 14,42 bilhões, 1,8% aquém da movimentação financeira real observada em 2021.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que, apesar da retração, o resultado ainda é melhor do que o registrado em 2020 (R$ 8,82 bilhões), durante o auge da adoção de medidas restritivas em virtude da pandemia de covid-19.

“A flexibilização dessas medidas e a retomada do fluxo de consumidores permitiram que, no ano passado, o varejo registrasse o maior volume de vendas em seis anos. Em 2022, a situação econômica do País deve afetar um pouco o fôlego das vendas, mas seguimos no caminho da retomada”.

O ramo de vestuário, calçados e acessórios, que costuma responder pela maior fatia das vendas, deve seguir liderando este ano, com previsão de faturamento de R$ 6,69 bilhões, um avanço de 1,4% em relação ao registrado no ano passado.

Por outro lado, os segmentos de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (R$ 2,33 bilhões) e móveis e eletrodomésticos (R$ 2,29 bilhões) devem apresentar quedas expressivas, de 9,3% e 9,5%, respectivamente.

Preços em alta

Pela primeira vez, nenhum dos 26 itens que compõem a cesta de bens e serviços avaliados deverá acusar queda, na comparação com o ano anterior.

Pelo contrário, a variação média desses itens deverá ser a maior (+10,6%) desde 2013, o que, segundo a pesquisa, é sintoma da alta difusão que caracteriza a inflação corrente.

Medidos pelo IPCA-15 acumulado em 12 meses, destacam-se as variações nos preços de eletrodomésticos como refrigeradores (+27,8%) e fogões (+24,9%).

Itens de mobiliário tipicamente associados a essa data comemorativa também tendem a apresentar variação expressiva (+19,4%), o que deverá desestimular a busca por esses produtos, especialmente, levando-se em conta a tendência recente de elevação do custo do crédito.

Em maio de 2021, por exemplo, a taxa de juros básica da economia brasileira estava em 3,5% ao ano.

Dez meses depois, os juros básicos já se situavam em 11,75% ao ano. Neste intervalo de tempo, a taxa média de juros das principais operações de crédito saltou de 5,88% ao mês (ou 98,5% ao ano) para 6,57% ao mês (ou 145,9% ao ano), segundo pesquisa mensal realizada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac).

Esses estão entre alguns dos fatores apontados pelo economista da CNC responsável pela pesquisa, Fabio Bentes, para a projeção mais negativa.

“A deterioração das condições de consumo caracterizada pela aceleração dos níveis gerais de preços, o aumento dos juros e o mercado de trabalho em lenta recuperação são impeditivos ao avanço das vendas reais neste ano”.

Confira a análise completa da Divisão Econômica da CNC

Comentários estão fechados.