Investir em startup: como funciona - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Investir em startup: como funciona

Descubra as diferentes maneiras de investir em startup e saiba qual é a que mais se encaixa ao seu perfil de investidor.

Muita gente se pergunta como funciona investir em startup, afinal, esse é um mercado que está em constante crescimento. Por isso, é um negócio que atrai o olhar de muitos investidores.

De acordo com uma pesquisa, o valor total dos investimentos captados por startups brasileiras em 2021 foi o maior desde 2016, chegando a R$55,6 bilhões. O levantamento ainda apontou que o crescimento na soma dos aportes foi de 200% em  comparação com o ano anterior.

Como funciona o investimento em startup?

Investir em startup pode acontecer de várias maneiras e pode ser feito tanto por pessoa física quanto por pessoa jurídica. Para quem investe em startups, as modalidades de Venture Capital mais conhecidas são:

  • Investidor-anjo;
  • Investidor seed;
  • Crowdfunding.

Independentemente de como você pretende investir, saiba que não existe caminho fácil. Até porque esse é um mercado de risco, e por isso é importante a diversificação. Ou seja, investir em mais de uma startup.

Investidor-Anjo

Esse é um tipo de investimento em startup mais comum e normalmente feito por pessoas físicas com capital próprio. Ele pode ser realizado por empresários, profissionais liberais, executivos ou qualquer outro agente do mercado. Além do capital, os investidores-anjos também costumam participar como mentores e conselheiros.

Sendo assim, eles agregam valor à startup, mesmo não possuindo uma posição executiva declarada dentro do negócio. Esse tipo de investimento vem crescendo bastante no Brasil.

Essa é uma modalidade diferente das demais, pois não exige um capital muito alto, podendo variar de R$50 mil a R$250 mil dependendo da startup.

Investidor seed

O Investimento Seed nada mais é que destinar recursos para startups que estejam em fase um pouco mais avançada. Por isso, ele está um nível acima do Investidor- anjo.

Normalmente esse nível de investimento em startup costuma ser um pouco mais elevado. Portanto, é um investimento de risco maior.

Esse tipo de aplicação é voltado para acelerar o crescimento de uma empresa que ainda não alcançou os seus objetivos. No entanto, já está com alguns produtos e serviços lançados no mercado, e já possui um certo faturamento.

De modo geral, o investimento Seed costuma acontecer através de incubadoras de empresas. Ou seja, não há nenhum impeditivo para que esse investimento seja feito por pessoas físicas ou jurídicas.

Crowdfunding

Uma outra maneira de investir em startup é por meio do financiamento coletivo, também conhecido como crowdfunding. Essa é uma modalidade que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente por ajudar a tirar várias ideias do papel.

Geralmente o capital reunido por meio de um crowdfunding é destinado para o desenvolvimento de um produto ou serviço. Pode ser ainda destinado para o lançamento de uma MVP (Minimum Value Product). Essa opção é para quem não deseja se tornar um investidor anjo ou investir por meio de fundos de venture capital ou private equity.

Neste tipo de investimento, usa-se uma plataforma online onde as startups apresentam o projeto e captam recursos de investidores. 

Em contrapartida, essas startups emitem contratos ou títulos que conferem direito de crédito por participação no negócio ao investidor. O grande risco neste tipo de captação é que, muitas vezes, a startup vende uma participação da empresa para uma pessoa que não tem nenhum conhecimento na área.

Como funciona investir em startup no Brasil?

Para investir em startups brasileiras existem vários caminhos. Afinal, existe fintech para investir, além de fundos de investimentos Venture Capital.

Vale destacar que nos últimos anos houve um aumento considerável no número de investidores em startups brasileiras. Isso se dá devido ao sucesso de muitas fintechs nacionais que se tornaram Unicórnios.

Essas empresas vão desde bancos digitais até startups de empréstimos, sendo que as principais delas são:

  • Nubank;
  • Mercado Bitcoin;
  • Buscapé;
  • Creditas.

Para poder participar das rodadas de investimentos, é preciso acompanhar as plataformas online que reúnem as empresas emergentes que estão em busca de investidores. Além disso, estar ativo em eventos de empreendedorismo também ajuda.

É possível começar a investir com pouco dinheiro?

Existem plataformas de investimentos como a Captable e EqSeed que permitem investir em startup a partir de R$1 mil. Esse novo modo de investir abre um grande leque de oportunidades para que pessoas físicas possam apostar em investimentos com um bom retorno no longo prazo.

Pode acontecer do investidor não obter retorno sobre o investimento, até porque essa é uma modalidade de alto risco, conforme já antecipamos.

Mas, por outro lado, o investidor também pode ter um retorno bastante alto se o investimento for feito em uma startup promissora.

Por isso é importante procurar analisar bastante antes de investir, lendo sobre a proposta da startup, objetivos e perspectivas sobre o futuro do negócio.

Leia também:

Startups têm novas regras para receber investimento. Entenda!

Ranking apresenta Curitiba como a segunda melhor cidade para startups no Brasil

Google for Startups anuncia programa de carreiras em tecnologia para negros

Comentários estão fechados.