3 motivos para começar a investir em cotas de empreendimento agora - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

3 motivos para começar a investir em cotas de empreendimento agora

Jonata Tribioli, especialista em cotas da NeoIn, apresenta os principais motivos que tornam essa modalidade uma das mais seguras e lucrativas do mercado imobiliário

Historicamente, o setor imobiliário é um dos mais estáveis e rentáveis do Brasil, apresentando diferentes modalidades de investimentos, de aluguel a fundos de investimentos.

Mas um modelo tradicional e que nos últimos anos tem se popularizado entre investidores da classe média são as cotas de empreendimento imobiliário.

Elas são a maneira pela qual uma construtora capta recursos junto a pessoas físicas para dar início a uma obra, oferecendo em troca um percentual sobre o capital investido.

No passado, apenas um grupo restrito de milionários tinha acesso a este investimento, mas isso vem mudando.

Construtoras têm se adaptado para disponibilizar as cotas para a classe média também, atraindo novos investidores.

Mas por que esse novo tipo de cota de empreendimento chama tanta atenção?

Para responder essa pergunta, Jonata Tribioli, diretor comercial e especialista em cotas de empreendimento na NeoIn, apresenta 5 motivos pelos quais você deveria investir em cotas de empreendimento hoje mesmo.

Baixo custo de investimento

De acordo com o estudo do Instituto Locomotiva, 47% da população brasileira pertence à classe média.

Essa fatia da população tem atraído algumas construtoras, que se adaptaram para oferecer as cotas de empreendimento imobiliário, antes restritas a milionários.

“Anos atrás, uma cota não era oferecida por menos de R$ 1 milhão”, diz Tribiloli.

Hoje, construtoras oferecem esse tipo de investimento a partir de R$ 10 mil.

“Dessa forma, democratizamos as cotas de empreendimento imobiliário. Além disso, educamos a população quanto às oportunidades no setor fora do tradicional aluguel”, comenta.

Alta porcentagem de lucro

Na prática, as cotas de empreendimento são uma opção de investimento capaz de aliar a segurança do mercado imobiliário com uma taxa de lucro elevada, cujos ganhos variam de 18% a 24% ao ano, bem acima dos 10% registrados pela inflação em 2021.

“Isso ocorre, pois o investidor adquire as cotas logo no início do projeto, arcando somente com o preço de construção, para depois comercializar os imóveis a preço de mercado, valorizando o produto e impulsionando os lucros”, afirma.

Livre de burocracias e impostos

Essa lucratividade também é viabilizada pelo formato de pagamento, em dividendos, que são isentos de qualquer imposto de renda no país.

Como o cotista entra no negócio apenas como sócio participante/oculto, ele não tem nenhuma obrigação jurídica sobre o negócio e não pode ser responsabilizado por problemas relacionados à construção, garantindo um investimento lucrativo e sem grandes compromissos.

Além disso, a condição de sócio oculto é o que também proporciona menor burocracia.

Em outros modelos de investimento imobiliário, como a compra de um imóvel para alugar a terceiros, é necessário arcar com diversos custos, incluindo comissão do corretor, taxas de obras e gastos com registro.

No caso das cotas de empreendimento, como o investimento está atrelado a uma quantidade determinada de metros quadrados, nenhuma dessas taxas entram na conta.

Como ser um cotista

Para iniciar os investimentos e se tornar um cotista, Tribioli conta que a pessoa deve participar de uma rodada de investimentos junto à construtora.

Durante o evento, a empresa irá apresentar os projetos em desenvolvimento e as cotas previstas para cada um deles, que podem variar tanto no valor mínimo de aporte quanto no tempo de alocação do capital.

Definido o projeto e o investimento pela cota, o próximo passo é o contrato.

Segundo o especialista da NeoIn, o acordo é formalizado por meio de um contrato na forma de Sociedade de Conta de Participação, instrumento jurídico que garante a operação através da lei 10.406/2002 do código civil brasileiro.

Neste instrumento jurídico, a empresa responsável pelo projeto entra como sócia ostensiva, recolhendo os impostos sobre o total do empreendimento, enquanto o investidor aparece apenas como sócio participante/oculto, aportando valores e recebendo dividendos.

A NeoIn

A NeoIn é uma construtora e incorporadora de São Paulo, fundada por um grupo de profissionais com mais de 20 anos de atuação.

Especializada no segmento de sobrados frontais, condomínios fechados e apartamentos, a empresa tem como um de seus modelos de negócio as cotas de empreendimento imobiliário, um investimento cujos ganhos historicamente variam de 18% a 24% ao ano.

Desde sua fundação, o grupo de investidores da NeoIn já entregou mais de 450 imóveis e 35 mil metros quadrados de construção.

Comentários estão fechados.