Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Startup carioca de games conclui projeto vencedor de concurso da ONU

Acelerada pelo StartupRio, do Governo do Estado do Rio, Delta Arcade criou o “Cidade do Amanhã”

0 68

O game “Cidade do Amanhã”, vencedor do concurso da Organização das Nações Unidas (ONU), teve o projeto final aprovado na última quarta-feira (20/05).

O jogo da Delta Arcade venceu o 1° Concurso de Jogos Digitais do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

A startup carioca começou no processo de aceleração do StartupRio, do Governo do Estado do Rio de Janeiro, que é o único programa para o desenvolvimento e aceleração para games do Brasil.

O concurso da ONU, com o tema central Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 16, teve como foco promover sociedades pacíficas e inclusivas, proporcionar o acesso à justiça e construir instituições eficazes.

A premiação foi realizada em parceria com o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e o programa Nordic Dialogues.

O game “Cidade do Amanhã” é um jogo virtual de cartas e estratégia para estimular jovens a pensarem nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e incentivar a participação social.

Nele, os jogadores assumem o papel de um personagem e devem tomar decisões que levam a cidade rumo ao desenvolvimento sustentável.

Desde 2007, a indústria de jogos eletrônicos retém o maior faturamento no ramo de entretenimento, ultrapassando a forte indústria do cinema e da música (PRICEWATERHOUSECOPPERS, 2009).

Segundo dados da SuperData, empresa que realiza pesquisas sobre a indústria de games, a indústria mundial de Jogos faturou em torno de 120 bilhões de dólares em 2019, e a expectativa é de movimentar cerca de 235 bilhões de dólares no ano de 2022, segundo levantamento feito pelo banco de investimentos de produtos digitais Digi-Capital.

O resultado do concurso saiu em dezembro de 2019 e a equipe vencedora recebeu apoio financeiro para desenvolver o projeto do game, que acabou de ser finalizado e aprovado.

O jogo é livre para todas as idades, sendo mais indicado para alunos do final do fundamental II e ensino médio, na faixa etária de 11 a 15 anos. A Delta Arcade concorreu com cerca de 20 outras startups.

Para o CEO do game “Cidade do Amanhã”, Paulo Eduardo Aragon, que recebeu a premiação em um evento no escritório da ONU em Brasília, vencer um concurso da representatividade das Nações Unidas mostra o potencial transformador dos jogos:

“A premiação foi muito importante pela possibilidade de testar a metodologia criada pelo estúdio para otimizar o resultado positivo dos jogos na educação; pela experiência adquirida em lidar com um cliente das proporções das Nações Unidas e a oportunidade de termos em nosso portfólio um produto desenvolvido para a ONU”, ressaltou o jovem, que integra o grupo com outros quatros participantes.

A Delta Arcade participou da 4ª edição do edital do StartupRio, programa vinculado à Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) do Rio de Janeiro.

Paulo Aragon destacou a importância de participar do processo de aceleração do programa:

“Aprendemos a transformar o que, inicialmente, era apenas o sonho de cinco 5 jovens que queriam trabalhar com jogos em um modelo de negócios viável. Hoje, a equipe está mais madura, com visão de mercado, técnicas sólidas de produção e muita disposição de entrar de cabeça no mercado” enfatizou.

Leia Também:  Plataforma de Investimentos é selecionada para Programa de aceleração do Google

O coordenador-geral do StartupRio, Paulo Espanha, destacou o papel do Programa como sendo o único para o desenvolvimento e aceleração de games no Brasil:

“As empresas desenvolvedoras de Games tem apresentado um constante crescimento ao longo dos últimos anos. O Rio de Janeiro tem o segundo maior coletivo de empresas desenvolvedoras de Games do Brasil. Estamos entre um dos 5 maiores mercados de games do mundo. O StartupRio é um dos raros, senão o único, programa de fomento bancado por Governos Estaduais do país. Estamos confiantes de seguir multiplicando a iniciativa de trazer mais Games e consolidando o StartupRio como o mais desejável Programa de Aceleração para a indústria de Games do Brasil.”

Inscrições abertas para novo edital do StartupRio

O StartupRio está com inscrições abertas para o edital da 5ª edição do Programa Startup Rio 2020 – Apoio à Difusão de Ambiente de Inovação em Tecnologia Digital no Estado do Rio de Janeiro.

O novo prazo vai até 29 de maio. O edital terá o valor total de R$ 6 milhões e vai contemplar 10 cidades do estado.

Atualmente, 46 startups são aceleradas pelo StartupRio e funcionam gratuitamente no espaço de co-working do programa com mais de 1.000m², no Catete, na Zona Sul. No total, 116 startups já receberam o fomento do Governo do Estado do Rio, em seis anos.

Link para o edital: http://www.faperj.br/downloads/Edital_N%C2%BA_22_Startup_Rio_2020.pdf

Jogos de Games no Brasil

No Brasil, a indústria de jogos também tem apresentado bom crescimento, tendo movimentando em 2018 cerca de 1,5 bilhão de dólares, estabelecendo-se como o principal mercado de jogos eletrônicos da América Latina, e o décimo terceiro no ranking mundial, conforme levantamento realizado pela Newzoo, que mostra ainda que o país contava em 2017 com cerca de 66,3 milhões de jogadores.

Os dados indicam que o setor continua expandindo suas fronteiras independentemente das condições da economia do país.

De acordo com a 18ª Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia 2017-2021, realizada pela PwC, o mercado de games tem crescido bem descolado do comportamento do PIB.

Ou seja, mesmo em situações em que a renda média do brasileiro diminuiu, o mercado continuou crescendo.

Sobre o Rio de Janeiro

Segundo o 2º Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais (IBJD), o número de desenvolvedoras de jogos cresceu 164% de 2014 (quando foi feito o primeiro censo) até 2018, saltando de 142 para 375 estúdios independentes, e somente nos últimos dois anos foram produzidos 1.718 jogos no País.

A maioria dessas empresas está na região Sudeste. No Rio de Janeiro, são 26 formalizadas e 14 não formalizadas.

Mas esse número pode ser ainda maior, uma vez que a maioria dos estúdios opera de forma informal.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.