Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Preço dos medicamentos sobe 1,73% em maio e acumula alta de 18,50% em 12 meses

Resultado foi impactado por avanço nos preços de medicamentos atuantes no sistema nervoso (+12,93%) e musculesquelético (+12,55%)

Os preços dos medicamentos vendidos aos hospitais no Brasil sofreram alta de 1,73% em maio, de acordo com o Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H), indicador inédito criado pela Fipe em parceria com a Bionexo – health tech líder em soluções digitais para gestão em saúde.

A alta foi alavancada pelo avanço nos preços de medicamentos atuantes no sistema nervoso (+12,93%) e musculesquelético (+12,55%). Outros itens que tiveram alta foram órgão sensitivos (+3,74%), sangue e órgãos hematopoiéticos (+2,84%), preparados hormonais sistêmicos (+1,93%), aparelho cardiovascular (+0,76%), aparelho geniturinário e hormônios sexuais (+0,64%) e imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (+0,02%).

Comparativamente, a variação do IPM-H em maio superou o comportamento do IPCA/IBGE de maio (+0,83%) e da taxa média de câmbio (-4,87%), mas foi inferior ao IGP-M/FGV (+4,10%) no período.

Em 2021, o IPM-H já acumula uma alta de 15,62%. Contribuem para essa variação as altas nos seguintes grupos: sistema nervoso (+37,54%), sistema musculesquelético (+25,41%), sangue e órgãos hematopoiéticos (+21,74%), aparelho digestivo e metabolismo (+15,30%), anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (+14,42%), aparelho cardiovascular (+13,00%), entre outros.

Nos últimos 12 meses encerrados em maio, a elevação registrada no índice é de 18,50%. Nesse recorte ampliado, os grupos que mais contribuíram para a alta do IPM-H foram: sistema nervoso (+56,72%), aparelho digestivo e metabolismo (+44,49%), sistema musculesquelético (+33,48%), preparados hormonais sistêmicos (+27,61%) e sangue e órgãos hematopoiéticos (+27,13%).

Em contraste, os grupos com as menores variações incluíram: anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (+1,14%), órgãos sensitivos (+7,48%), aparelho respiratório (+7,71%), agentes antineoplásicos/quimioterápicos (+9,55%), imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (+10,23%) e medicamentos atuantes no aparelho geniturinário e hormônios sexuais (+10,59%).

Cabe lembrar que os grupos com as maiores altas incluem medicamentos utilizados em casos graves de COVID-19, como é o caso da: norepinefrina (terapia cardíaca e suporte vital), fentalina (analgésico), propofol (anestésico), midazolam (hipnótico/sedativo/tranquilizante), omeprazol e pantoprazol (antiácidos utilizados no tratamento de dispepsia/úlcera gástrica e outros distúrbios gastrointestinais).

Sobre o IPM-H

O Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H) é uma parceria entre a Fipe e a Bionexo, com o objetivo de disponibilizar informações inéditas e de interesse público relacionadas à área de saúde, com foco no comportamento de preços de medicamentos transacionados entre fornecedores e hospitais no mercado brasileiro.

O IPM-H é elaborado com base nos dados de transações realizadas desde janeiro de 2015 através da plataforma Bionexo, por onde são transacionados mais de R﹩ 12 bilhões de negócios no mercado da saúde por ano, o que representa cerca de 20% de tudo que é transacionado no mercado privado nacional.

A health tech conecta mais de duas mil instituições de saúde a mais de 20 mil fornecedores de medicamentos e suprimentos hospitalares. A cada mês e para cada grupo de medicamentos, a FIPE calcula o índice de variação do seu preço em relação ao mês de referência, levando em consideração algumas variáveis que podem ser relevantes para determinar o preço das negociações, incluindo: (i) quantidade de produtos transacionada; (ii) distância geográfica entre hospitais e fornecedores.

Os medicamentos são agrupados em 13 grupos terapêuticos (classificação da ATC*) e ponderados de acordo com uma cesta de valor total transacionado na plataforma Bionexo no ano anterior. O IPM-H consolida o comportamento dos índices dos preços de cada grupo terapêutico, também ponderados pelo valor transacionado do grupo na plataforma.

Embora possam estar correlacionados, o comportamento do IPM-H não mensura o comportamento dos preços de medicamentos em farmácias, isto é, nos preços ao consumidor final (segmento varejo). Além disso, o IPM-H não é uma medida de variação dos custos dos hospitais e/ou planos de saúde, que envolvem também gastos com equipamentos, procedimentos, materiais recursos humanos, protocolos de tratamento/atendimento e segundo frequência de uso.

Sobre a Bionexo

Líder em soluções digitais para gestão em saúde, a multinacional brasileira conecta mais de dois mil hospitais e outras instituições do setor a mais de 20 mil fornecedores de medicamentos e suprimentos hospitalares no Brasil, Argentina, Colômbia e México.

Por ano, em uma de suas plataformas são transacionados mais de R﹩ 12 bilhões de negócios no mercado da saúde, o que representa cerca de 20% de tudo que é transacionado no mercado privado no país.

No Brasil, que representa 80% dos negócios da companhia, a Bionexo tem impacto direto em cerca de 40% dos leitos privados e 64% dos leitos de alta complexidade.

Pelos seus sistemas, passam todos os dias mais de duas mil cotações de preços e condições para mais de 20 mil itens – de alimentação e medicamentos a equipamentos de diagnóstico de alta complexidade.

Comentários estão fechados.