Ministério estuda medidas para ajudar produtores gaúchos prejudicados pela seca

Tereza Cristina recebeu o governador do Rio Grande do Sul, além de parlamentares e entidades

0
9
tereza-cristina-produtores-gauchos

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) recebeu nesta quarta-feira (11) o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, além de senadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, representantes de entidades e de bancos públicos para debater soluções para produtores rurais do estado prejudicados com a seca que atinge o estado.

“É um assunto que não dá para ter uma única resposta. É um conjunto de medidas que poderão ser tomadas e outras que serão estudadas para ver como amenizar esse problema”, disse a ministra, destacando que o Mapa vem estudando possíveis soluções com outros ministérios e com os bancos públicos.

Entre as medidas que poderão ser adotadas, segundo a ministra, está a destinação de milho para a ração animal, por meio da Conab. Também devem ser encaminhados peritos para analisar as perdas nas propriedades, medida necessária tanto para o acesso ao seguro rural como para possíveis prorrogações de dívidas.

“Não vai ser uma resposta única, a cada dia que tiver uma medida saneada, vamos passar para as pessoas correrem atrás da documentação necessária”, ressaltou Tereza Cristina. Na semana passada, o Ministério da Agricultura anunciou a destinação de R$ 2 milhões para o estado para ajudar os agricultores familiares.

O governador Eduardo Leite destacou que as perdas dos produtores se agravam a cada dia. “Não vemos melhoria nas condições climáticas do estado para as próximas semanas, e consequentemente a perda se agrava, compromete a nossa economia, a saúde financeira dos nossos produtores e ameaçará também safras futuras, investimentos e a arrecadação do Rio Grande do Sul”, disse.

Conforme atualização divulgada em caráter excepcional pela Emater/RS-Ascar nesta quarta-feira (11), as perdas na produtividade, em relação aos dados inicialmente divulgados em agosto do ano passado, são de 32,2% nas culturas de soja e 26,2% na de milho na safra 2019/2020.

Uma nova reunião será realizada nesta quinta-feira (12) para debater os encaminhamentos para o assunto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário
Digite seu nome aqui