Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Em evento da ONU, ministra defende diversidade dos sistemas produtivos alimentares

Em vídeo, apresentado na Cúpula dos Sistemas Alimentares, ministra destacou a construção de uma posição comum dos países das Américas sobre o tema

Em mensagem gravada, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou nesta sexta-feira (24), da Cúpula dos Sistemas Alimentares, da Organização das Nações Unidas (ONU).

A ministra destacou o esforço dos países das Américas na construção de uma posição integrada e alinhada sobre a produção de alimentos na região.

“Sob a coordenação do IICA, logramos, nas Américas, o reconhecimento da diversidade dos sistemas produtivos e ressaltamos a necessidade de evitar visões prescritivas de sustentabilidade. Reforçamos a importância da ciência e da inovação como base para as políticas públicas e para as regras e padrões sanitários”, disse no discurso, transmitido no evento, iniciado no dia 23.

Em julho deste ano, países da América definiram uma posição em torno de 16 mensagens-chave, apresentada na Pré-Cúpula, ocorrida em Roma.

No documento “Principais mensagens no caminho para a Cúpula da ONU sobre Sistemas Alimentares na perspectiva da agricultura das Américas“, os países ressaltam o papel insubstituível da agricultura, dos produtores rurais e dos trabalhadores dos sistemas alimentares como elo imprescindível e central e que, sem produção agropecuária, não há matérias-primas para serem transformadas em alimentos.

As mensagens também destacam a agricultura como uma atividade fundamental para erradicar a pobreza, promover o desenvolvimento rural e proteger o meio ambiente.

A ministra ressaltou que o Governo Federal tem construído uma agenda de compromissos para desenvolvimento de um sistema alimentar mais produtivo, inclusivo e sustentável até 2030, baseado em aumento da produtividade sem uso de novas áreas e redução do desperdício de alimentos.

“Com base no nosso modelo de agricultura tropical, seguiremos expandindo a produção através de ganhos crescentes de produtividade e do uso racional dos recursos naturais. Assim, reduziremos a pressão pela incorporação de novas áreas à atividade produtiva. Trabalharemos ainda pela redução de perdas e desperdícios. E promoveremos a alimentação saudável através da informação aos consumidores”, disse a ministra, ressaltando que o país aderiu às iniciativas sobre Perdas e Desperdícios, Merenda Escolar e Pecuária Sustentável.

Nesta semana, o Mapa criou o Grupo de Trabalho de Enfrentamento a Perdas e Desperdício de Alimentos, que irá desenvolver estratégias, alinhadas à economia circular, para o aproveitamento integral dos alimentos e fortalecimento das ações de redistribuição para redução do desperdício, por meio de recomendações de ajustes regulatórios, estímulo e aprimoramento de programas sociais.

Na cúpula, Tereza Cristina defendeu que os países industrializados “assumam a responsabilidade de apoiar os mais vulneráveis” por meio de cooperações internacionais.

A ministra, junto com o secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Tom Vilsack, lançou a Coalizão sobre Crescimento Sustentável da Produtividade, que irá contribuir para eficiência do uso dos recursos produtivos e a disponibilidade de alimentos a preços acessíveis.

Cúpula dos Sistemas Alimentares

Realizada em Nova York, nos Estados Unidos, a Cúpula foi convocada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, no contexto da Década de Ação para alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável até 2030.

Os países participantes irão debater ações para agilizar o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável por meio da transformação dos sistemas alimentares juntamente com a sustentabilidade.

Serão debatidas cinco linhas de ação: acesso universal a alimentação saudável, segura e sustentável, padrões de consumo saudáveis e sustentáveis, produção em escala de alimentos positivos para a natureza, promoção do sustento e distribuição de valor equitativa e construção de resiliência contra vulnerabilidades, choques e tensões.

Os resultados serão reunidos em uma declaração ao final do evento, coordenada pelo Secretário-Geral da ONU.

Comentários estão fechados.