Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Trabalhadores por conta própria foram os mais prejudicados pela pandemia em 2020

Pesquisa do Ipea divulgada nesta quinta-feira (08) mostra o impacto da crise sanitária sobre rendimentos e horas trabalhadas

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta quinta-feira (08) uma análise sobre o impacto da pandemia de Covid-19 no mercado de trabalho que aponta os trabalhadores por conta própria como os mais prejudicados em termos de queda de rendimento no ano passado.

Eles receberam apenas 76% da renda habitual no segundo trimestre de 2020 e, no quarto trimestre, atingiram 90%. Os dados foram calculados com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os trabalhadores privados sem carteira, por sua vez, receberam 87% da renda habitual no segundo trimestre e 96% no quarto trimestre de 2020.

A análise da renda efetiva nos três últimos meses do ano passado indica que ela caiu inclusive entre os trabalhadores privados com carteira (-1,4%) e os do setor público (-0,2%), chegando a 6,7% de redução para aqueles por conta própria.

Para Sandro Sacchet, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea e autor do estudo, o fato de ter havido queda nos rendimentos efetivos em alguns grupos de trabalhadores no quarto trimestre “sinaliza potenciais efeitos do início da segunda onda de Covid-19 no país, cujos impactos poderão ser compreendidos quando forem divulgados os dados no primeiro trimestre de 2021”.

Na análise por faixa de renda, o documento aponta um aumento de 25% para 31,5% no total de domicílios sem renda do trabalho entre o primeiro e o segundo trimestres de 2020.

No quarto trimestre, a proporção chegou a 29%, mostrando uma recuperação lenta do nível de ocupação.

O estudo também apresenta as variações trimestrais da renda habitual e da renda efetiva por macrorregião, faixa etária, gênero e escolaridade.

A pandemia não afetou a quantidade de horas habitualmente trabalhadas, que manteve-se em 39,5h por semana em 2020.

No entanto, no segundo trimestre do ano observou-se forte queda nesse indicador, que atingiu apenas 78% das horas habituais, correspondentes a 30,7h semanais.

O impacto foi maior entre os informais do setor público (72%) e os trabalhadores por conta própria (73%).

No quarto trimestre, esses dois tipos de vínculo registraram 92% e 94% das horas habitualmente trabalhadas, respectivamente.

Acesse a íntegra da nota de conjuntura

Comentários estão fechados.