Mulheres que investem na bolsa de valores cresce mais de 700% - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Mulheres que investem na bolsa de valores cresce mais de 700%

Especialista do mercado financeiro, Regiane Gibaile, da W4 Capital de Sorocaba, atribui aumento a transformações sociais

O mercado de capitais está em constante mudança, não apenas por influência de fatores econômicos e políticos, mas também por transformações sociais que alteram o comportamento das pessoas.

Um dos movimentos que vêm sendo observados é o aumento no número de mulheres que estão investindo na bolsa de valores brasileira, uma modalidade considerada de maior risco e para perfis não conservadores.

De acordo com dados da B3, o crescimento desse público ultrapassou 700% em dez anos, um salto de 148.563 mulheres investindo na bolsa em 2012 para 1.192.491 investidoras até março de 2022, o que representa 23,5% da quantidade total de investidores que possuem ações ou outros ativos negociados na B3 atualmente.

A especialista do mercado financeiro Regiane Gibaile, CFP® (Certified Financial Planner) e sócia-fundadora do escritório de investimentos W4 Capital em Sorocaba, primeiro credenciado ao banco Modalmais no interior de SP, acredita que as mudanças sociais ligadas aos novos papéis das mulheres nas famílias e suas conquistas no mercado de trabalho são alguns dos fatores que podem ser atribuídos ao crescimento do público feminino na bolsa de valores.

“A mulher está cada dia mais presente no mercado de trabalho e conquistando o protagonismo. Muitas deixaram de ser donas de casa dependentes, passando a ocupar o papel de sponsors de suas famílias, ou seja, responsáveis pelo sustento financeiro da casa. Como consequência, vemos a figura feminina tomando um espaço grande no mercado financeiro, que era predominantemente masculino, porque elas querem ter um planejamento mais assertivo do seu dinheiro e investir melhor”, explica Regiane.

Além do crescimento de mulheres entre os investidores, o mesmo movimento pode ser visto do outro lado do balcão.

Regiane, que tem experiência de mais de 20 anos no mercado financeiro, afirma que há instituições bancárias onde já é possível notar um quadro de funcionários voltado ao atendimento de clientes de alta renda ocupado em até 60% por mulheres.

“O interesse em investir vem crescendo entre o público feminino não apenas como uma forma de aumentar os rendimentos e ter mais segurança financeira, mas também como uma opção de carreira neste mercado. Essa presença causa um impacto positivo para todas, pois mostra que o mundo dos investimentos também é lugar delas”, pontua a especialista.

Perfil da mulher que investe

De acordo com a 5ª edição do Raio X do Investidor Brasileiro, pesquisa realizada pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) em parceria com o Datafolha, as mulheres que investem em qualquer modalidade representam 28% da população feminina no País.

O principal objetivo que move as mulheres que buscam investir, ainda segundo a pesquisa, é o de realizar o sonho da casa própria (28%), seguido por fazer uma reserva de emergência (20%), viajar pelo mundo e conhecer novas culturas (9%), fornecer educação para si e para filhos e netos (8%), investir em negócio próprio (7%) e usar na velhice (6%).

A pesquisa revelou também que elas tendem ao conservadorismo nos investimentos, sendo que 83% escolhem a poupança para aplicar o dinheiro.

Em seguida, com 7% de preferência delas, vêm os títulos privados, como debêntures e CDBs. Fundos de investimento, moedas digitais e ações na bolsa de valores são opções para 6%, 4% e 3%, respectivamente.

“No mercado de capitais, ainda existe muita insegurança pela falta de educação financeira e do entendimento sobre os produtos, por isso muitas pessoas acabam evitando qualquer tipo de risco. Esse medo geralmente está ligado ao receio de realizar as aplicações sozinho, no entanto, existem escritórios especializados em investimentos, como a W4 Capital, que podem trazer a segurança que o investidor precisa”, afirma Regiane.

No time da W4 Capital, Regiane Gibaile está ao lado de Camila Furlani, ambas ex-gerentes de uma grande agência bancária de Sorocaba, além dos também fundadores e sócios Bruno Vieira e José Cleano, com passagens pela XP-Investimentos, unindo a bagagem de grandes bancos com a personalização das assessorias.

O evento de lançamento do escritório, primeiro credenciado ao banco Modalmais no interior de SP, foi realizado na última quarta-feira (27) e reuniu clientes, convidados e autoridades do município.

A W4 oferece produtos e serviços exclusivos do banco suíço Credit Suisse — um dos maiores bancos do mundo, entre eles, opções em renda fixa, bolsa de valores e fundos de investimentos.

Comentários estão fechados.