Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Militares recebem o Auxílio Emergencial?

O Auxílio Emergencial foi pago para mais de 73 mil militares e o Ministério da Defesa diz que os valores devem ser devolvidos à União

Militares recebem o auxílio emergencial? Isso é o que os Ministérios da Defesa e da Cidadania estão apurando.

Em nota, o Ministério da Defesa informou que está sendo apurado a possibilidade do pagamento indevido a base de dados.

O Auxílio Emergencial é um projeto do atual governo do Brasil, que tem como finalidade dar suporte financeiro para a população mais carente durante a pandemia do Coronavírus.

No entanto, o Ministério da Defesa informou, nesta quarta-feira (13), que 73,2 mil militares solicitaram indevidamente o benefício e tiveram o seu cadastro aprovado.

O pagamento dos R$ 600,00, contudo, dividiu opiniões em Brasília.

O presidente Bolsonaro diz que alguns dos solicitantes têm o direito, mas há quem discorde.

O Ministério da Defesa informou que os valores recebidos indevidamente devem ser devolvidos aos cofres da União e que vai analisar caso a caso.

Veja quem tem direito ao Auxílio Emergencial

Afinal, militares recebem o auxílio emergencial?

Em março, o governo divulgou as regras para fazer o cadastro. O benefício é devido para brasileiros que se encaixem nos seguintes pré-requisitos:

  • ter mais de 18 anos;
  • ter cadastro ativo como Microempreendedor Individual (MEI);
  • desempregados que não estejam recebendo seguro-desemprego;
  • autônomos;
  • pessoas sem assistência social;
  • não ser aposentado e nem pensionista;
  • não ter renda familiar acima de R$ 3.135,00;
  • não receber outro benefício do governo (Bolsa Família, por exemplo);
  • ter cadastro no CadÚnico.

Se encaixando no perfil acima, o cidadão deveria seguir o passo a passo para o cadastro e aguardar a aprovação.

Militares recebem o Auxílio Emergencial ou a prática é indevida?

A polêmica se militares recebem o auxílio emergencial segue.

O Ministério da Defesa notificou a irregularidade e que as Forças Armadas estão avaliando caso a caso e logo identificará quem recebeu o pagamento indevidamente.

Todavia em depoimento público, o então presidente da República, Jair Bolsonaro disse que todos os militares que receberam os R$ 600,00 do governo são oriundos de famílias mais carentes.

“É o praça prestador do serviço militar inicial. São pessoas oriundas das classes mais humildes da população, são os mais pobres.”, disse o presidente à imprensa.

Foram identificados  73.142 cadastros de CPF incluindo militares inativos, ativos, de carreira, temporários, anistiados, pensionistas e dependentes.

Isso representou, portanto, um gasto de R$ 43,9 milhões apenas na primeira parcela.

Como será feita a devolução dos valores recebidos indevidamente?

Caso o Ministério da Defesa identifique erros no recebimento, o militar será notificado e terá que devolver todos os valores recebidos imediatamente.

Serão emitidas Guias de Recolhimento da União (GRU) com prazo para pagamento. Ainda de acordo com o Ministério da Defesa, quem não fizer a devolução do valor pode ainda ser punido pelas forças armadas.

Na tarde desta quinta-feira, o Tribunal de Contas da União (TCU), determinou que os militares que não realizarem o pagamento da GRU terá o valor descontado do salário.

O ministro Bruno Dantas assinou uma liminar que autoriza o desconto do valor referente ao Auxílio Emergencial na próxima folha de pagamento dos militares.

Revisão de pedidos

Devido o erro ocorrido com os militares, o Ministério da Defesa pediu a revisão de todos os pedidos para o Auxílio Emergencial que foram negados no Brasil.

De acordo com o procurador da república, Oscar Costa Filho, muitos cidadãos se encaixavam no perfil para receber os valores e tiveram seu pedido negado pela Caixa Econômica Federal.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.