Fintech: o que significa e porquê o termo ganhou popularidade - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Fintech: o que significa e porquê o termo ganhou popularidade

O mundo digital inovou e as empresas migraram para internet deixando para trás suas instalações, entenda o que é fintech e suas vantagens.

Fintech é um dos termos mais utilizados no mercado financeiro e ajudou a acelerar os processos de inclusão financeira em diversos setores da população.

Todavia, antes de mais nada é preciso saber que na prática as fintechs são muito mais do que um avanço científico financeiro.

Bem como uma maneira de proporcionar mais vantagens e comodidade para os seus clientes e investidores.

A explicação está no fato de elas terem conseguido criar produtos de fácil acesso para se tornarem aliados financeiros.

O que significa Fintech

Fintech é a junção de duas palavras em inglês, “financial technology” [tecnologia financeira, em português].

Embora o setor financeiro utilize esse termo desde a década de 80, a expressão só ganhou popularidade depois da crise econômica de 2007 a 2008.

Essa tecnologia é usada para nomear startups – início de um negócio inovador – e empresas de finanças totalmente digitais.

Nesse sentido, essas corporações têm um diferencial: a tecnologia, diferenciando das demais empresas tradicionais.

Por que o termo fintech está na moda?

As fintechs são tendências em todo o mundo, por isso o termo utilizado para os  serviços financeiros digitais está tão em voga.

As soluções inovadoras na área da tecnologia financeira transformaram e continuam transformando o modo com que as pessoas lidam com o dinheiro.

De acordo com a segunda edição anual da Pesquisa Fintech Deep Dive, as fintechs mostraram um aumento de interesse por tecnologias avançadas.

Dessa forma, as empresas que investem neste setor podem oferecer um serviço com plataformas mais ágeis e personalizadas.

E quem ganha com tudo isso é o consumidor que, além de ter fácil acesso a empresa, também dispõe de serviços práticos e sem burocracias.

Quais as vantagens das fintechs?

A maioria das fintechs permitem que seus clientes controlem as suas transações através dos smartphones.

Ao contrário das empresas financeiras tradicionais que ainda se mantêm em instalações físicas, as fintechs atuam totalmente do mundo digital.

E principal vantagem entre os meios digital e o físico é que os produtos e serviços oferecidos pela modalidade digital são muito mais baixos do que os bancos tradicionais.

Por exemplo, as contas digitais gratuitas, os cartões de crédito sem anuidade, maiores rendimentos nos investimentos entre outros.

Leia também: Fintech reduz custo e tempo de deslocamento de desbancarizados para pagamento de contas

As fintechs são seguras?

A modernidade e a tecnologia são diferenciais que tornam as fintechs instituições seguras.

Embora algumas pessoas tenham receios em investir ou comprar produtos por serem empresas novas, o setor financeiro é monitorado por instituições governamentais – o que obrigam as fintechs à adesão de restrições rigorosas para poder oferecer seus serviços.

E entre os exemplos de fintechs de sucesso podemos citar o Nubank, o Paypal, Airbnb e, até mesmo, o Google.

fintechs-sao-seguras
Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Só para se ter uma ideia, o ano de 2020 fechou com 742 startups financeiras no Brasil: um aumento de 34% em relação a 2019.  Os dados divulgados são Fintouch – maior evento de fintechs do Brasil, promovido pela ABFintechs

Esse crescimento, portanto, está ligado a uma consequência de diversos fatores, sendo os dois principais: lacunas em nichos do mercado e o boom da digitalização no País.

Para o Presidente da ABFintechs, “Brasil se destaca em número de fintechs, não só na América Latina, mas em todo o hemisfério sul”.

Diferença entre fintech e startup

A vertical de aplicativos que se consolidou no Brasil  e na América Latina impulsionou soluções tecnológicas para melhorar, personalizar e automatizar o acesso aos serviços financeiros.

Por isso, a maior diferença entre uma fintech e uma startup está na sua evolução, como já mencionado.

Um outro ponto que deve ser levado em consideração ainda é que uma startup pode ser de qualquer ramo de atuação e não, somente, do setor bancário.

Por exemplo: startups do setor agronegócios são consideradas Agrotech; de Comunicação, Comunicatech….

Logo empresas do setor financeiro que buscam se diferenciar com as inovações tecnológicas no mercado são consideradas startups e intituladas como fintechs.

A nível global, as fintech são as aplicações financeiras que mais atraem e retêm os usuários, tanto na sua utilização como na sua permanência nos dispositivos móveis.

Todavia apesar de 40% da população latino-americana permanecer sem banco, a corrida entre as empresas de fintech para oferecem grandes oportunidades de se estabelecerem como uma opção mais acessível em comparação com o que os bancos tradicionais oferecem, é grande ainda.

Daí a necessidade de as fintechs estarem de olho nas transformações do mercado para garantir, sempre, a melhor segurança para os seus usuários, uma vez que a segurança é a chave do sucesso para todo e qualquer negócio neste novo modelo de negócio digital.

Veja também:

BNDES aporta R$ 487 milhões em fundo de crédito de fintech com foco em pequenos negócios

Ame Digital, Nubank e PicPay são escolhidos como as melhores Fintechs do Brasil

A crise do coronavírus irá acelerar as fintechs?

Comentários estão fechados.