Eternit supera os R$ 200 milhões em Caixa Líquido no 1T22 - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Eternit supera os R$ 200 milhões em Caixa Líquido no 1T22

Companhia registrou Ebitda recorrente de R$ 48 milhões e Lucro Líquido de R$ 42 M

A Eternit S.A. (ETER3) – companhia do setor de construção e líder de mercado no segmento de coberturas – apresentou, nesta quarta-feira, dia 11, relatório financeiro sobre o exercício do primeiro trimestre de 2022.

Apesar do cenário de acomodação da construção civil, no período a empresa seguiu concretizando a expansão pelo território nacional e alcançando um Caixa Líquido de R$ 200,3 milhões, 35,3% acima do 1T21.

No primeiro trimestre de 2022 a Eternit apresentou um Lucro Líquido de R$ 42,3 milhões, 28% menor do que o mesmo período de 2021, ano considerado atípico pelos reflexos da pandemia, que impulsionaram as vendas de materiais de construção.

Já a Receita Bruta, de R$ 324 milhões, e EBITDA Recorrente de R$ 48,4 milhões, atingiram uma margem EBITDA Recorrente de 19%, valor comparável aos melhores desempenhos verificados no período de 2012 a 2020.

“O desempenho registrado não impactou apenas a Eternit, mas foi sentido por todo o mercado de construção civil. No nosso caso, a queda nas vendas de telhas de fibrocimento, em linha com o cenário de acomodação de demanda da indústria, era verificada desde o último trimestre de 2021”, contextualiza Luís Augusto Barbosa, presidente da Eternit.

Em relação ao 4T21, as vendas no trimestre recuaram 5%, apesar da recuperação registrada em março, quando o volume vendido retornou ao patamar do 3T21.

Enquanto o setor registrou crescimento de 8,2% em 2021, a ABRAMAT projeta um aumento de 1% no faturamento da indústria de materiais de construção no ano de 2022.

Contudo, visando a demanda de médio e longo prazo, a Eternit segue desenvolvendo seus projetos de ampliação pelo Brasil.

Em janeiro, a companhia concretizou a aquisição da Confibra e aguarda a aprovação do CADE para finalização do processo de aquisição. Esse ativo aumentará em cerca de 20% a capacidade de produção de telhas de fibrocimento.

Juntas, as unidades de Goiânia e do Rio de Janeiro, que passam por modernização, também representarão um adicional na capacidade produtiva de 7 mil toneladas por mês, cerca de 10% da capacidade atual, com previsão de partida no 2T22 e 3T22, respectivamente.

Segundo a Eternit, os trâmites de implantação da nova fábrica de telhas de fibrocimento que será construída em Caucaia (CE), seguem evoluindo, com benefícios fiscais concedidos em fevereiro.

“Ainda existe um déficit habitacional muito grande no país, que justifica nossos investimentos. Além disso, dos 40% a mais de capacidade instalada que estamos operacionalizando, metade são oriundos da Confibra, que já possui sua carteira de clientes consolidada há décadas”, esclarece Barbosa.

Caixa

Quanto à disponibilidade de caixa, o valor contabilizado em 31/03/22 totalizou R$ 237 milhões.

Compõem o montante recursos oriundos da chamada de capital destinada à aquisição da Confibra (R$ 110 milhões), geração de caixa (R$ 119 milhões) e saldo remanescente do aumento de capital realizado em junho/2020 para funding dos investimentos estratégicos (R$ 8 milhões).

No encerramento do período de 31/03/22, o endividamento bruto da Companhia apresentou uma diminuição de 47% frente ao mesmo período de 2021, totalizando R$ 36 milhões, constituído exclusivamente pela dívida junto ao Banco da Amazônia, relativa ao empréstimo contratado para funding do investimento na unidade da Eternit da Amazônia (fibra de polipropileno).

Entretanto, o resultado financeiro da Companhia foi negativo em R$ 9 milhões no 1T22, refletindo, sobretudo, a variação cambial negativa de R$ 11 milhões decorrente do impacto da apreciação do Real frente ao dólar sobre a carteira de recebíveis em moeda estrangeira.

“A partir de março, passamos a contratar hedge para os recebíveis em dólar, preservando o resultado em Reais da negociação comercial de exportações”, explica Vitor Mallmann, diretor financeiro e de RI da Eternit.

Desempenho operacional. Se o volume de vendas de telhas de fibrocimento no 1T22 totalizou 158 mil toneladas, registrando um recuo 17% quando comparado ao mesmo período de 2021 e de 5% em relação ao 4T21, o mesmo não se pode dizer dos sistemas construtivos da Eternit – linha que contempla placas e painéis cimentícios.

O volume de vendas no 1T22 apresentou um expressivo crescimento, de 59% frente ao 1T21. Na comparação com o 4T21, porém, o trimestre registrou um recuo de 6%.

“Entendemos que o modelo de construção a seco tem um ótimo potencial de aderência com o mercado brasileiro. Por isso estamos nos posicionando estrategicamente, ampliando portfólio dentro desse segmento. Os resultados do trimestre, praticamente lineares ao do período anterior, seguem a queda de vendas do setor de materiais de construção. Por outro lado, a análise ampla mostra que nossa corrida de longo prazo vem trazendo retornos”, defende Barbosa.

Telhas solares

No projeto de telhas solares, a Companhia seguiu realizando as vendas da Tégula Solar, ainda de forma restrita a projetos selecionados, e iniciou a seleção de projetos-piloto para o modelo da telha solar de fibrocimento F-140, produto também homologado pelo Inmetro.

Recuperação

A condição de empresa em Recuperação Judicial vai se tornando mera formalidade com o cumprimento da grande maioria do plano de turnaround, fixado em 2018.

Com todas as outras obrigações financeiras equacionadas, o encerramento da RJ aguarda apenas o desfecho de julgamento em andamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ), no qual a Eternit procura restabelecer o plano original de pagamento dos credores da Classe I, homologado pelo Juízo da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca da Capital de São Paulo, em 30 de maio de 2019.

A Eternit

Fundada há mais de 80 anos, a Eternit – companhia no setor de construção, e líder de mercado no segmento de coberturas – conta com cerca de 1.500 colaboradores e unidades de produção em seis estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Goiás, Bahia e Amazonas), além de 20 mil revendedores com presença em todo o território nacional.

Com foco em inovação e sustentabilidade, a empresa desenvolveu a primeira geração de telhas fotovoltaicas do país aprovada pelo Inmetro, com células de captação de energia do sol aplicadas diretamente no formato ondulado da telha de concreto (Tégula Solar) e de fibrocimento (Eternit Solar).

A comercialização do primeiro modelo foi iniciada no segundo semestre de 2021 e do segundo, está prevista para 2022. As ações da companhia são cotadas desde 1948 na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) e, desde 2006, fazem parte do Novo Mercado, que agrupa as empresas com mais alto nível de governança corporativa.

Site: www.eternit.com.br.

Comentários estão fechados.