Café Cultura alcança cinco estados com plano de expansão - Revista Capital Econômico
Mais do que uma simples leitura: é informação relevante, confiável e que gera conexão!

Café Cultura alcança cinco estados com plano de expansão

Rede catarinense atinge 30 operações entre lojas próprias, franquias e e-commerce; nova unidade no Mato Grosso leva marca para Centro-Oeste

Uma nova fase do plano de expansão do Café Cultura também foi inaugurada junto com a loja de Cuiabá. Aberta nesta segunda-feira (07/03), a primeira unidade no Mato Grosso é também pioneira na região Centro-Oeste.

Assim, a rede catarinense expande suas atividades para cinco estados em três regiões brasileiras. Prêmios, consolidação da marca e presença digital estão entre alguns pontos positivos que levaram o Café Cultura a esse patamar.

São 29 lojas físicas mais um e-commerce, totalizando 30 operações do Café Cultura. O crescimento vem se consolidando em menos de uma década desde que a marca decidiu apostar em franquias.

Fundada em 2004, funcionou em Santa Catarina com lojas próprias por dez anos. Depois, um novo rumo foi adicionado aos planos: a abertura de franquias.

A primeira década da marca foi fundamental para sua consolidação. Quando decidiram apostar em franquias, já contavam com uma marca consolidada.

Com um maior impulso no mercado de cafeterias a partir de 2020, o Café Cultura já estava preparado para este momento.

No ano passado, o presidente da Intelligentsia Coffee (revendedora norte-americana de torrefações) James T. McLaughlin Jr. Veio ao Brasil falar das possibilidades para o mercado de cafeterias, acelerado pela pandemia.

Ele apontou, como tendências, a venda de cafés pela internet e a formação de um público mais exigente e conhecedor de grãos e torras. São nichos já explorados pela marca catarinense.

Essas características já vinham sendo exploradas pelo Café Cultura há anos, e o reconhecimento veio com rapidez. No ano passado, a rede foi apontada como a quinta maior no ramo de cafeterias do Brasil, pelo Prêmio Melhores Franquias 2021.

Já no Prêmio Design Varejo 2021 foram três destaques: a unidade Village Mall do Rio de Janeiro ficou com o 1º lugar na categoria Quiosque de alimentação, e também foi citada com a maior pontuação entre os jurados, e a unidade Batel em Curitiba que foi 1º lugar em Lojas de serviços de alimentação de médio porte.

As lojas seguem um padrão de identidade visual, ao mesmo tempo em que cada uma tem seu próprio estilo. Isso se deve à atenção dada pela rede aos franqueados.

“O Café Cultura oferece suporte ao franqueado em aspectos como análise econômica e de viabilidade, assessoria no projeto arquitetônico e programa de treinamento, entre outros”, explica Luciana.

Cinco estados

A pandemia iniciada em 2020 desacelerou os planos de expansão da rede, mas não impediu seu crescimento. Em 2019, foram inauguradas 5 unidades e, em 2020, duas novas praças foram incluídas na rede.

Mas em 2021, foram inauguradas mais de dez unidades em cidades como Curitiba, Balneário Camboriú, Caxias, Canoas, São José, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Ou seja: só no ano passado, os números de unidades foram superiores aos dois anos anteriores.

O sucesso é refletido também em faturamento. Em 2019, chegou a R$ 15 milhões. A pandemia desacelerou os ganhos do ano seguinte, atingindo mais de R$ 11 milhões. Mas em 2021, os valores mais que duplicaram em relação a 2020, passando dos R$ 25 milhões de rendimento.

Com dois formatos de franquia (quiosque e mini-bistrô), este modelo de negócios tem funcionado bem para o Café Cultura.

A chegada da marca em seu quinto estado brasileiro, com a loja de Cuiabá, traz uma prospecção de crescimento para 2022.

Além das vendas pelo site, cada vez com mais itens que vão de blends exclusivos a kits de café da manhã e cafeteiras, as unidades físicas retomam seu destaque com a flexibilização das regras de isolamento. Tudo isso contribui para atrair a atenção de franqueados.

O investimento inicial de R$ 400 mil para o modelo quiosque, indicado para uma unidade do Café Cultura que tenha retorno estimado de 24 a 36 meses com faturamento médio de R$ 75 mil. O pagamento de royalties é de 5% sobre o faturamento bruto, além de 1,5% para fundo destinado à propaganda.

Farm to Cup

Um dos maiores destaques do Café Cultura é seu formato Farm to Cup, com um cuidado com os grãos desdeo plantio até chegar à xícara, com análise de toda a produção pelos sócios.

Produtores parceiros no Espírito Santo e São Paulo com grãos 100% arábica de origem controlada, em altitudes acima dos 1000m, fornecem o café.

Após inspeção, os frutos são levados ao Café Cultura Lab, laboratório próprio da rede para torrefação e elaboração dos blends, que chegam às lojas e, também, podem ser comprados online para degustar em casa. São cinco blends tradicionais, além de edições especiais temporárias, como a de Páscoa e a de Natal.

A adaptação do cardápio, constantemente renovado, traz novidades sazonais. Para o verão, por exemplo, novos cafés gelados e smoothies entraram temporariamente para o menu das franquias.

Pedidas gastronômicas pensadas para acompanhar o café, de salgados, pães e waffles até as tortas e brunches completos, também se aliam com pratos para almoço e jantar, como omeletes e saladas. Até cerveja com café entra nas pedidas da rede.

Comentários estão fechados.